Um espaço para sermos …circunstancialmente…

VER e ENXERGAR

Tales Messias
 
Hoje acordei. E não me vi.
Liguei TV. Não me enxerguei.
Corrí ao trabalho. Nessa corrida, não me reconhecí.
Trabalhei, cumprí metas, adquirí novos objetivos
Me enfurnei em planilhas, apresentações,
Excell, Power Point, Corel,
Estatísticas, clusters, cálculos, novas visões.
E não me vi.
 
Estafado, retornei. Após um banho, um bom café,
olhei de lado…
 
Vi minha filha, minha esposa. Vi não, enxerguei-as.
 
Ainda cedo, elas já estavam lá.
Eu não. Não perceptivelmente.
 
Lembrei das pessoas com quem estive no trabalho.
Lembrei dos que estavam lá.
Notei que lá não estive.
 
Lembrei de minha corrida para lá chegar.
Mas, vi que durante esta, não me via.
 
Só então vi que…
 
É quando me vejo, que passo não apenas a olhar,
mas também a enxergar. É quando vejo o olhar dos
outros, de minha filha, de minha esposa, de meus amigos,
de meu próximo. Olho e vejo, então percebo: o olhar de dor,
ou de alegria, o que cabisbaixo está, o olhar do outro.
 
Ao me ver, vejo. E vejo que posso continuar
vivendo, acordando bem cedo, correndo, trabalhando,
pressionado…mas, ainda assim, desafiado a continuar enxergando-me.
Que esse olhar pra mim mesmo, seja termômetro, seja indicativo…
de saúde…ou doença… mais que isso, seja também remédio,
diagnosticando e curando, à medida que discerne (pois até o
dicernir é ato divino, por isso já terapêutico).
 
Mais que isso ainda: que esse olhar seja também esperança,
pois me traz vida em meio a tantos sinais de morte.
Seja ainda luz, pois me clareia os olhos na direção
dos outros…a fim de que me livre da tentação de
centrar-me em mim. Centrando-me em mim,
acabo por não ver o outro.
 
Mas…que dilema…não afirmei que enxergando
a mim é que vejo o outro?
 
Se fito os olhos apenas em mim…perco-me em mim.
Se me encontro em mim – vendo quem sou –
além de me encontrar…encontro também o outro.
 
Minha oração: Me faz ver… primeiro essa! Pois já
disse um pensador que pior que ser cego é não
ter visão.
Me faz ver quem sou. Pois assim encontro-me.
Negando-me a um estilo de vida longe de
meus valores.
Me faz ver o outro. Pois assim, evito ver apenas
quem sou e livro-me da pior das cegueiras:
a insensibilidade à dor do outro.
A ti, Deus.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: