Um espaço para sermos …circunstancialmente…

Tales Messias Ferreira

 

Há textos que nos saltam aos olhos de tempos em tempos. Assim tem sido para mim a parábola do filho pródigo relatada no livro do médico Lucas (cap 15). Principalmente quando ele relata o encontro do Pai com o filho mais novo. Aquele filho que tinha pedido sua parte na herança e tinha gasto tudo com prostitutas e festas. Aquele que tinha dado as costas à família indo morar o mais longe possível do Pai. Aquele que perdeu parte da herança ganha as custas do trabalho do Pai. Aquele tido como o mais irresponsável da casa. E o texto nos diz que esse filho decide voltar para casa, humilhado, com fome, desejando receber o tratamento que os empregados de seu pai tinham. A motivação de seu retorno: fome. Teve fome e lembrou que na casa de seu pai ninguém passava fome, nem mesmo os empregados de seu pai. Decide voltar e pedir que seja tratado como um empregado e não mais como filho. Pois tinha gasto a parte que lhe cabia na herança como filho. Ele não parece estar arrependido. Ele não parece ter voltado por ter tido a consciência de seus erros e falhas. Ele não parece decidido a voltar porque avaliou suas atitudes e enxergou-se errado nelas. Não! Ele teve fome! Passou a comer comida de animais (e não qualquer animal mas sim porcos. Que era um animal tido como impuro para os judeus). E diante da extrema necessidade e fome, decide voltar.

 

O retorno é marcado por emoção: o pai o vê de longe e, cheio de compaixão, corre ao encontro do filho. Para a época, um ancião correr em direção ao filho era sinônimo de humilhação. Era algo inaceitável. O Pai da história faz isso. Sequer ouve o filho pedir que o trate como empregado. Pede que traga para o Filho uma capa, um anel e uma sandália a fim de que se sinta filho novamente (o anel sinalizava isso), distinto dos demais (apenas empregados andavam descalços) e acolhido.

 

Sabe o que acho interessante por demais nessa história? O Pai não esperou o filho à porta. O Pai não fez questionamentos a ele. Não esperou ele primeiro explicar-se dos seus erros. Não precisou primeiro demonstrar arrependimento de seus pecados, erros e ingratidões. Não foi necessário submetê-lo a humilhação. Não foi necessário puni-lo.

 

O Pai não quis abraçar o filho arrependido. O Pai não quis abraçar o filho caso ele demonstrasse arrependimento. Ele abraçou o filho PARA o arrependimento. O abraço era sinal de perdão antecipado. O abraço não era resposta ao arrependimento mas sim catalizador para que isso acontecesse. O abraço era movido por um amor não diminuído diante dos erros. Abraço para arrependimento e não abraço caso haja arrependimento.

 

Nos nossos piores momentos precisamos de um abraço para o arrependimento. Pois o amor nos constrange a isso. O Pai da história representa Deus. Meu maior desafio é entender que cada vez que Jesus agia enquanto por aqui andou ele me ensinava como o ser humano deve ser. Cada história, como essa, que Jesus contava ele estava gritando para nós de que o ser humano devia ser e viver de uma forma diferente do que temos vivido. Por isso, enquanto leio, ouço Jesus sussurrando em meus ouvidos e dizendo: “seja assim, Tales…abrace. Mesmo quem não se arrependeu. Mesmo quem não demonstra consciência de pecado. Com seu abraço, talvez ele faça isso. Simplesmente ame. Assim, talvez, ele caia em si… e volte. E lembre-se: eu ensinei a você como fazer isso pois fiz e faço isso com você. Todos o dias”.

 

 

Comentários em: "Abraçando para o arrependimento" (2)

  1. Levi disse:

    Tales, meu camarada!O seu texto me fez lembrar de alguns abraços que recebi de meu Pai e de alguns irmãos, que como você, decidiram não ser o MAIS VELHO e DISTANTE. Preciso desse abraço sempre.O Pai me abraçou com a sua reflexão, mas me desafiou a ABRAÇAR mais do que ser ABRAÇADO.Valeu meu irmão!FORTE ABRAÇO!Na Jornada dos ABRAÇOS do PAI e dos IRMÃOS,LEVI ARAÚJOSanto André – SP

  2. Cleonardo disse:

    Grande Tales. Nao sei nem o que dizer. Como fui abencoado!! Um abraco, amigo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: