Um espaço para sermos …circunstancialmente…

Nicholas Carr recorre à ciência e à filosofia para demonstrar que os efeitos negativos do mundo digital na mente humana superaram os positivos Ex-editor executivo da Harvard Business Review, escritor e jornalista especializado em tecnologia e seu impacto na cultura e nos negócios, Nicholas Carr apresenta em The Shallows uma teoria provocante: a internet está transformando os seres humanos em criaturas superficiais, incapazes de ter pensamentos profundos e criativos. Carr mergulha na neurociência, filosofia, história e grande variedade de experimentos científicos para rastrear indícios que apóiem sua hipótese. Embora reconheça que algumas habilidades humanas têm melhorado com o uso do computador, salienta que não foram a memória, o vocabulário ou a cultura geral, as condições básicas de um pensamento superior: “A internet gera o tipo de estímulo cognitivo (repetitivo, intenso, interativo e viciante), que resulta em profundas e rápidas alterações dos círculos e funções do cérebro”, escreve Carr. Para a reflexão e o aprendizado é necessário tempo, diz, e com a internet não há maneira de parar para pensar. USB das lembranças Os críticos de Carr dizem que sua teoria é lúcida, mas um pouco tendenciosa e até algo conservadora. The New York Times comparou seus postulados com a desconfiança de Sócrates em relação à invenção do livro, que “traria o esquecimento à alma”. Para o ateniense, a palavra escrita arruinaria a mente. Conhecido crítico da revolução tecnológica, Carr, em 2008, escreveu um comentado artigo na revista The Atlantic em que se perguntava se o Google estava tornando a raça humana estúpida. The Shalows retoma o argumento e afirma que nossa memória dorme enquanto os motores de busca trabalham. “A memória biológica está em estado perpétuo de renovação; cada vez que a exercitamos, mudamos e recontextualizamos o conhecimento. A mente biológica forja a criatividade. A do silício (Google) a anestesia. Carr propõe substituir o título de “sociedade da informação” por “sociedade da interrupção”.

Revista HSM Management, Nov dez 2010, pág 206 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: